29/05/2020 - Como o coreógrafo Omar Román De Jesús retratou as doenças mentais em suas coreografias


Em 2018 o coreógrafo contemporâneo Omar Román De Jesús explorou o transtorno bipolar em suas coreografias, ele entende que trabalhar o assunto nos palcos é uma forma de criar consciência no público, e nos próprios artistas, sobre doenças que perpassam pela vida de muitos. Mas, para isso é de suma importância abordar as doenças mentais de forma consciente. Para isso Róman explicou alguns passos do que devemos fazer para trabalhar este tema tão complexo na dança.

1- Faça uma boa pesquisa

Aprofundar e usar suas conexões com aqueles que estão lidando com doenças mentais. "Obtenha algumas respostas para saber o que fazer e a que distância chegar", diz De Jesús. Após a inspiração inicial de uma peça musical, De Jesús observou a doença mental na população de rua de Seattle e refletiu sobre estas experiências.

2- Observe sua perspectiva

Criar material relacionado a doenças mentais geralmente requer uma conexão pessoal com o assunto. "Só posso falar de minhas próprias experiências", diz De Jesús, Ao considerar sua própria perspectiva, De Jesús se perguntou: "Como isso me fez sentir?" e "Como eu reagi a isso?"

3- Planejar com antecedência

De Jesús encoraja os coreógrafos a criar um mapa de sua peça de início, mas sempre lembrando de atualizar-se. Questionar-se é importante, por exemplo: "Como você chega ao foco principal e como sai?" ele pergunta. Pense em como deseja que o público experimente o trabalho.

4- Questione-se

Quais discussões você deseja iniciar? Como você deseja que o público pense sobre saúde mental? Para De Jesús, é tudo sobre espalhar empatia e consciência. "Meu trabalho é sobre deixar a esperança vencer."

Voltar