14/08/2020 - A importância da dança como perspectiva incorporada


Dançar sem estar em real contato com o seu corpo pode trazer consequências graves para a saúde física e mental. Quando nos concentramos apenas nas nossas habilidades físicas corporais, frequentemente negligenciamos os processos internos que gerenciam nosso autocuidado e ignoramos quando o corpo precisa de uma pausa.

Então, como podemos quebrar esse ciclo? É tudo uma questão de incorporação.

A incorporação é um sentido, uma forma de nos entendermos, dar sentido ao nosso mundo e ao meio ambiente. É um estado de consciência de dentro para fora. De acordo com Mark Walsh, facilitador da personificação e autor de Embodiment-Moving Beyond Mindfulness, não se trata apenas de estar ciente do corpo, mas de "estar ciente como um corpo". Nosso corpo pode ser o maior recurso para prevenir lesões e promover a saúde geral e o bem-estar.

Se formos capazes de explorar como o corpo se sente antes de ensaiar, treinar ou se apresentar, podemos estar mais atentos às áreas que podem estar sujeitas a lesões. 

Dar-nos tempo permitirmos uma introspecção e uma maior capacidade de interocepção - nossa percepção do estado interno do corpo. Começamos a entender como a mente e o corpo estão conectados, o que ajuda a controlar o estresse que leva a lesões e esgotamento.

Como podemos praticar a incorporação? Aqui estão três etapas para viver uma vida mais corporificada:

Faça uma varredura corporal:

Reserve um momento para identificar todas as partes do seu corpo. Comece da cabeça e desça até os pés. Preste atenção a quaisquer sensações sem julgamento. Pratique pelo menos uma vez por dia para obter os melhores benefícios.

Respirar:

Tire um tempo para respirar. Pratique a respiração diafragmática (inspire pelo nariz e expire pela boca) para criar espaço no corpo e induzir um estado de calma e relaxamento.

Pratique "mindfulness" - "atenção plena"

Preste atenção em como seu corpo está se sentindo sintonizando intencionalmente ao longo do dia. Esteja ciente de como você está se movendo e quando precisa de uma pausa.

Até a próxima!

Fonte: www.dancemagazine.com

 

Voltar