06/04/2021 - Estela Lapponi faz live performance de dança contemporânea


A pandemia veio, trouxe o confinamento e, com ele, Estela Lapponi precisou se reinventar e pensar em outras maneiras de desempenhar seu fazer artístico, uma vez que ele parte do contato com o público e da relação que se estabelece a partir dele. Foi assim que surgiu BORN TO BE NA LIVE! - selfishcâmera . O trabalho é um desdobramento do primeiro experimento - SELFISHcâmera - que se tornou uma videoarte, apresentada no edital Sesc ConVIDA!. As apresentações da montagem ao vivo acontecem nos dias 7, 8, 14, 15, 21 e 22 de abril, às 21 horas, no YouTube. Nos dias, Estela divide a tela com o músico Lirinha Morini e se apresenta online.

A performance nasce a partir da observação nas reuniões on-line das quais participou. A artista começou a olhar mais atenta os quadros na tela do celular durante as conversas. Seu olhar se voltou bastante para esses espaços e suas perspectivas, além do movimento desconcertante e mareante da câmera selfie, devido à portabilidade do celular.

Com esse olhar desperto, Estela realizou alguns experimentos em sua casa, como forma de investigar o que começou a perceber nessa lida da bidimensionalidade on-line, selfie, movimento, live etc. Esse foi o embrião da videoarte SELFISHcâmera, que também contava com o músico Lirinha Morini para criar uma trilha executada com guitarra. O nome SELFISH, refere-se à uma brincadeira com a palavra, que Estela faz em relação à foto selfie.


"Resolvi começar a pesquisar mais essa relação entre tecnologia e movimento por conta da pandemia. Apesar do cenário, acho que o momento nos obrigou a criar dentro dessa realidade e, de repente, abrir mais um meio de comunicação com o público por meio de uma linguagem super atual. Quem não se vê por meio de telas ou se relaciona com uma nos dias de hoje? Trato a câmera como parte do meu corpo e, ao mesmo tempo, como uma parceira de dança - um duo, usando a meu favor os acasos dos movimentos da tela da câmera do celular e desafios na criação em tempo presente dos meus movimentos", explica Estela Laponi.

A performance propõe a criação em tempo real (improvisação) unindo a trilha da guitarra de Lirinha com a dança, por meio do método Danceability. A própria Estela também assume o papel de videomaker e, assim, estabelece uma relação não só com o corpo que dança, mas também fica responsável pelo espaço que ele ocupa na tela. Lapponi chega a refletir sobre a performance se tratar também de uma espécie de videoarte ou videodança ao vivo, uma vez que o manuseio desconcertante do celular e os acasos imagéticos nos giros das telas, cria a ilusão dos cortes da edição das imagens.

Além das questões mencionadas anteriormente, em BORN TO BE NA LIVE! - selfishcâmera Estela continua com os seus objetos de pesquisa, abordados em trabalhos anteriores. São eles: o discurso cênico do corpo com deficiência, o relacional com o público e o o trânsito entre as linguagens cênicas e visuais.

As apresentações serão on-line e serão geradas a partir do canal no YouTube da Casa de Zuleika - espaço contemporâneo e residência híbrida da artista Estela Lapponi.

Cenário à venda
Estela sempre acreditou que é preciso fazer um trabalho de formação e reeducação de plateia no que se refere ao custo de um trabalho artístico. "Mais do que contribuir com o trabalho que está vendo, esse valor também abre espaço para apresentações futuras da performance de forma independente, ou seja, sem recurso ou subsídio de Edital", explica. Em BORN TO BE NA LIVE! - selfishcâmera, Estela não irá cobrar ingressos, mas o público pode adquirir camisetas que fazem parte do cenário do espetáculo. As camisetas estarão à venda pelo Instagram de Estela.

Sobre os artistas

ESTELA LAPPONI é multiartista e iniciou nas artes cênicas como atriz de teatro (1992) e, em 2004, começou a experimentar a relação do vídeo com seu corpo hemiparético. Em 2005, ingressa na dança contemporânea e, em 2013, começa a se identificar como performer e videoartista a partir do Master de Práticas Cênicas e Cultura Visual em Madri, na Espanha.

LIRINHA veio de uma família de músicos. Aos 14, começou a participar de bandas e, aos 17, já era professor de música. Já participou de várias bandas, projetos solos, artísticos e audiovisuais, tocando Guitarra, Violão, Viola Caipira e Contra-Baixo. Atualmente, faz parte da Crew dos artistas: Gal Costa, Gabriel Sater, Orquestra Brasileira de Música Jamaicana/OBMJ, Ego Kill Talent e Black Mantra. Dentre os diversos trabalhos como músico, arranjador e produtor, destacam-se as gravações, shows e turnês com as bandas: Plazma (2003/2020), Lestics (2008/2012), Mauricio Gonzaga (2014/2018), Duofonic (2014/2017) e Afrodisíakos (2004/2005).

SERVIÇO
BORN TO BE NA LIVE! - selfishcâmera 

Data: de 7a 22 de abril,
Horário: às 21 horas
Plataforma: no canal de YouTube - Casa de Zuleika.
Duração: 50 minutos.
Indicação etária:  16 anos.

YouTube - Casa de Zuleika: http://www.youtube.com/channel/UCe4FVw_o1M2F0d0vsXkXmww
Instagram - Estela lapponi: http://www.instagram.com/estelapponi/


FICHA TÉCNICA

Dançarina e Videomaker - Estela Lapponi. Trilha Original e Guitarra - Lirinha Morini, Técnico de Som e Transmissão - Marcelo Effori, Iluminação e Assistente de Produção - Karine Spuri, Assistente Administrativo - Alessandra Effori Coordenação de Produção, Concepção e Idealização - Estela Lapponi. Realização - Casa de Zuleika

Voltar