01/08/2018 - 16ª Edição do DANÇA EM TRÂNSITO percorre oito cidades.Iniciado na capital francesa, onde realizou, no mês de junho, uma residência artística e uma série de apresentações, o 16º Dança em Trânsito chega ao Brasil com uma programação variada


Dança em trânsito percorre oito cidades e reúne 16 atrações nacionais e internacionais, entre 29/07 e 16/08.

Angel Vianna faz participação especial no festival, que acontece no Rio de Janeiro de 6 a 12 de agosto.

Iniciado na capital francesa, onde realizou, no mês de junho, uma residência artística e uma série de apresentações, o 16º Dança em Trânsito chega ao Brasil com uma programação variada que inclui espetáculos, performances, workshops e residências de intercâmbio, reunindo sete companhias nacionais e sete internacionais, seis jovens coreógrafos e ainda um estilista convidado, além da participação especial da bailarina, professora, coreógrafa e pesquisadora Angel Vianna, um dos grandes nomes da dança no Brasil. Entre 29 de julho e 16 de agosto, o festival percorre sete cidades de cinco estados – Rio Grande do SulSanta CatarinaRio de JaneiroDistrito Federal Paraná. No Rio, as atividades se estendem por uma semana, entre 6 e 12 de agosto, em palcos convencionais como a Casa França-Brasil e o Teatro SESC Ginástico, e ainda em espaços públicos como o Corcovado e diversos pontos da Orla Conde, passando pelas áreas do AquaRioArmazéns do Cais do PortoMuseu do AmanhãPier e o jardim da Casa França-Brasil.

“O DNA do Dança em Trânsito é o intenso intercâmbio entre artistas brasileiros e estrangeiros, sua itinerância e também a ocupação de espaços não tradicionais, em áreas abertas, facilitando o acesso a novos públicos,” resume Giselle Tápias, diretora artística e curadora do festival criado em 2002 e que este ano conta com o patrocínio da ENGIE Brasil e da Eudora.

Uma constante do festival, a agenda brasileira do Dança em Trânsito se inicia com oficinas de criação, residências e apresentações nas cidades de Entre Rios do Sul (RS), Capivari de Baixo (SC) e Alto Bela Vista (SC), entre 29 de julho e 1º de agosto. O festival passa por Florianópolis (03/08), até chegar no Rio de Janeiro, para uma semana de programação, entre 6 e 12/8. No dia 14, segue para Brasília e, nos dias 15 e 16, encerra a edição 2018 em Curitiba.

A capital fluminense também abriga um workshop, no dia 5/8, ministrado pelo espanhol Guy Nader, na Casa França-Brasil, destinado a estudantes de dança e bailarinos profissionais. As inscrições já estão abertas e podem ser feitas pelo email workshop.dancaemtransito@gmail.com.  Entre os dias 6 e 10 de agosto, no mesmo local, haverá ainda um projeto formativo para professores de dança, a partir de uma proposta pedagógica de cada um dos oito coreógrafos convidados: Angel ViannaNúbia BarbosaAna VitóriaFlávia TápiasMariana KadletzRaphael RibeiroRomual KaboreLuciana Ponso.

© Divulgação

Um dos destaques da programação, a cia sul-coreana Ahn Soo Young Company, em sua primeira vinda ao Brasil, apresenta o espetáculo Swan Lake, no dia 7/8, no Teatro SESC Ginástico. Trata-se de uma obra livremente inspirada no clássico homônimo, interpretada por quatro homens e uma mulher. Com uma coreografia intensa, de movimentos precisos, o grupo se vale do humor (incluindo uma inspirada versão para o famoso pas de quatre) para compor uma obra que fala ainda de questões ambientais atuais. O trabalho ganhou o Grande Prêmio no Festival Internacional de Coreografia de Seul. 

Outro ponto alto é o espetáculo Ferida Sábia, da bailarina e coreógrafa Ana Vitória, com participação especial de Angel Vianna, no dia 9/8, na Casa França-Brasil. Criada em 2012, a performance com cinco bailarinas integra a trilogia Afinal o que há por trás da coisa corporal?, iniciada em 2010, e explora o universos feminino e seus ritos de passagem da puberdade, maternidade e velhice, onde o vermelho é a cor predominante.

Completando 17 anos de atividade, a celebrada Focus Cia de Dança, do coreógrafo e bailarino Alex Neoral, participa do Dança em Trânsito com duas coreografias: a recém-criada Trupe, uma reflexão sobre o papel do artista, com três apresentações ao ar livre (6/8, nas Paineiras; 11/8, em frente ao Museu do Amanhã, e no domingo 12/8, no AquaRio), e Still Reich, uma coleção de peças criadas a partir de músicas do compositor contemporâneo Steve Reich, sendo duas do repertório da cia, Trilhas Pathways, e uma estreia mundial.

O estilista Guto Carvalhoneto assina a concepção e direção da bem-sucedida performance Inquietudes da Carne, apresentada no início do ano na mesma Casa França-Brasil, no projeto Moda e Movimento. Dividida em três partes – prelúdio, desejo e interdito – tem colaboração artística de Flávia Tápias e criação coreográfica dos oito intérpretes (Flávia TápiasBayard TonelliAlex NeoralMonise MarquesIque Hillesheim de MoraesRomual KaboreJoseph de Abreu Antonio Nina Vicente). 

© Divulgação

Além dos espetáculos que acontecem na Casa França-Brasil e no Teatro SESC Ginástico, ambos no Centro, a ocupação das ruas se dará nesta edição ao longo de três dias: na sexta, 6/8, abertura do Dança em Trânsito na cidade; no sábado (11/8) e no domingo (12/8). No primeiro dia, o festival saúda a cidade do alto, com apresentações no Corcovado e aos pés da estátua do Cristo Redentor, com performances da companhia suíça Jézsef Trefeli & Gábor Varga, da brasileira NIMO e ainda com o espetáculo Rotas, criado em uma residência artística de parceria criativa entre artistas brasileiros e estrangeiros, idealizada e dirigida pela coreógrafa Flávia Tápias, em que dançam Gaetand JamardJúliaGilRomual Kabore e a própria Flávia. No sábado, 11/8, quatro atrações se apresentam em frente ao Museu do Amanhã, a partir das 16h: Focus Cia de DançaJoão Rafael NetoCia Khoros de Dança e o coreógrafo e dançarino de Burkina Faso, Romual Kabore. No domingo, entre 13h e 17h, o festival atravessa a Orla Conde com oito artistas/companhias, que se apresentam desde o AquaRio até ao gramado ao lado da Casa França-Brasil, passando pela frente dos Armazéns 4, 3 e das regiões do Museu do Amanhã e do Pier, percorrendo uma área de mais de 2km. 

Três companhias vêm pela primeira vez ao país. Além da coreana Ahn Soo Young Company, também estreiam por aqui GN |MC Guy Nader | Maria Campos, da Espanha, com Times Takes The Time Takes, e a Cie Jézsef Tréfeli & Gábor Varga, da Suíça. 

Do Brasil, também são três os trabalhos inéditos: Bolero de 4, de João Rafael Neto, de Salvador; Desvio, da Muovere Cia de Dança, de Porto Alegre, e Por tantas vezes, da carioca Cia Khoros de Dança 


Dança em Trânsito

Criado em 2002, o Dança em Trânsito é um festival internacional de dança contemporânea que tem por objetivo valorizar, promover e democratizar esta expressão artística, seja pelo intenso intercâmbio entre artistas e companhias do Brasil e do exterior, como também pela itinerância, percorrendo desde as grandes cidades até pequenas localidades no interior do Brasil, em teatros ou espaços públicos. Sua atuação abrange ainda residências artísticas, com oficinas de criação, e workshops, abrindo canais para novos talentos da dança, e a formação de plateias, estimulando o interesse pelas artes e pela dança. O festival é parte do projeto Ciudades Que Danzan, que reúne 41 cidades em diversas parte do mundo com o intuito de difundir a dança contemporânea. Desde a sua criação, o Dança em Trânsito já apresentou mais de 84 companhias de 16 países, em 18 cidades de nove estados brasileiros, para um público de mais de 47 mil pessoas.


Sobre a ENGIE Brasil 

No Brasil, a ENGIE é a maior produtora privada de energia elétrica no país, operando uma capacidade instalada de 10.290 MW em 32 usinas em todo o Brasil, o que representa cerca de 6% da capacidade do país. O Grupo possui 90% de sua capacidade instalada no país proveniente de fontes limpas, renováveis e com baixas emissões de gases de efeito estufa, posição que tem sido reforçada pela construção de novas eólicas no nordeste do país e por uma das maiores hidrelétricas do País, Jirau (3.750 MW), localizada no rio Madeira e que foi inaugurada em dezembro de 2016.

O Grupo também atua na área geração solar distribuída e oferece serviços relacionados à energia, engenharia e integração de sistemas, atuando no desenvolvimento de sistemas de telecomunicação e  segurança, iluminação pública e mobilidade urbana para cidades inteligentes, infraestruturas e a indústria de óleo e gás. Contando com 3.000 colaboradores, a ENGIE teve no país em 2016 um faturamento de R$ 6 bilhões.


Serviço

DANÇA EM TRÂNSITO 

De 06 a 12 de agosto de 2018 – Rio de Janeiro

Programação completa: www.dancaemtransito.com.br

Patrocínio: ENGIE Brasil e EUDORA
Direção artística e curadoria: Giselle Tápias
Assistência de direção e curadoria: Flávia Tápias
Gestão: Espaço Tápias LIMENTO
Contatos internacionais: Letícia Kaminski
Produção: Espaço Tápias
Produção executiva: Sonia ReinsteinTatiana Minello Ricardo Soares
Programação visual e web design: TRUQUE www.truque.co
Fotografia: Fernanda Vallois 

 

Voltar