× O ClickOnDance vai mudar! Em breve novidades sobre a nova experiência de aulas online que estamos preparando para você. Nosso portal segue com atualizações diárias e uma curadoria especial com dicas do mundo da dança. Acompanhe também nosso instagram: www.instagram.com/clickondance

28/05/2022 - Conheça Yuriko Kikuchi - braço direito de Martha Graham


Yuriko Kikuchi, que foi uma força na constelação de Martha Graham da década de 1940 até o século atual, faleceu em 8 de março de 2020, com 102 anos

Conhecida como Yuriko, ela podia projetar inocência, serenidade ou uma qualidade mística no palco. A bailarina contribuiu poderosamente para o legado de Graham.

Nascida em San Jose, Califórnia, em 1920 Yuriko Amemiya tinha um talento sublime. Certa vez bateu na porta do estúdio Graham, e a própria Martha Graham abriu. Quando Martha pediu para ver sua dança, Yuriko recusou porque no Japão a tradição era que você precisa se preparar para um mestre. Então Graham a enviou para estudar com Jane Dudley e Sophie Maslow, que a elogiaram. Depois disso, ela recebeu uma bolsa de estudos e se juntou à classe de Graham. Graham disse a ela: “Eu nunca disse isso a ninguém, mas vou dizer a você: você é uma bailarina nata"

Para Yuriko, não havia dúvida de que aquele era o lugar certo para ela. 

A devoção quase religiosa a Graham a lembrou de “um templo onde se praticava zazen/meditação sentada” no Japão. 

Yuriko também fez muitos figurinos de Graham, o que lhe garantiu uma aproximação de Martha.

Yuriko criou papéis em Appalachian Spring (1944), Dark Meadow (1946), Cave of the Heart (1946), Night Journey (1947), Clitemnestra (1958) e Embattled Garden (1958). 

Não só Yuriko não  contribuiu para o repertório de Martha Graham, como também causou impacto na sua técnica.

Graham respeitava tanto os esforços coreográficos de Yuriko que a incluiu em uma apresentação de 1948 de obras de três de seus dançarinos mais promissores. Os outros dois eram Merce Cunningham e Erick Hawkins.

Em 1967, Yuriko passava por tensões com Graham, nessa época conseguiu uma bolsa Guggenheim permitiu que ela deixasse a empresa e se concentrasse em seu próprio trabalho. Mas ela voltou no final dos anos 70 para reencenar Dark Meadow.

Depois que Graham morreu em 1991, Ron Protas e Linda Hodes, que eram co-diretores da empresa principal, nomearam Yuriko como diretora artística associada. Mas ela saiu alguns anos depois por causa de desentendimentos com Protas, que era o herdeiro legal problemático (e alguns dizem destrutivo) de Graham.

Em 1991, Yuriko ganhou um prêmio Bessie por reconstruir “Steps in the Street”, uma seção de Chronicle (1936) que revelou o poder da coreografia feminina de Graham.

Lembrando a maneira como Yuriko exigia o melhor de cada bailarina, Miki Orihara, ex bailarina de Graham disse: “Ela queria a verdade de todos. Ela não queria nada falso. E ela podia ver, e ela dizia: 'Não é isso.' ”

“De alguma forma, muitas vezes eu voltava ao Japão para uma fonte criativa. Eu sou 100 por cento americano, mas no fundo, o Japão ficou comigo. Então, artisticamente, também sou 100% japonesa.”

Emiko Tokunaga, biógrafa de Yuriko, comentou sobre a influência de Yuriko nas mulheres de ascendência japonesa, dizendo: “Você cruzou as fronteiras culturais e raciais, o que contribuiu para a compreensão e respeito mútuos pelo Japão e pela América”.


 

Voltar