× O ClickOnDance vai mudar! Em breve novidades sobre a nova experiência de aulas online que estamos preparando para você. Nosso portal segue com atualizações diárias e uma curadoria especial com dicas do mundo da dança. Acompanhe também nosso instagram: www.instagram.com/clickondance

03/08/2022 - Grupo Corpo faz temporada no Teatro Alfa com ?Onqotô + ?Gil Refazendo


Em 1942, nasciam na Bahia dois dos maiores nomes da música brasileira – Gilberto Gil, em 26 de junho, na capital do estado; Caetano Veloso, dia 7 de agosto, na pequena Santo Amaro da Purificação. E em 2022, quando ambos completam 80 anos, serão celebrados pelo GRUPO CORPO na temporada brasileira do segundo semestre.

O circuito, que começa dia 10 de agosto em São Paulo – abrindo a temporada de dança do Teatro Alfa - reúne dois balés com música especialmente composta para a companhia pelos geniais baianos: ONQOTÔ, de 2005, trilha de Caetano em parceria com José Miguel Wisnik; e GIL, de 2019, agora inteiramente refeito e rebatizado de GIL REFAZENDO. O programa chega a Belo Horizonte dia 30 de agosto, para seis apresentações. O patrocínio premium é do Instituto Cultural Vale; patrocínio master da ArcelorMittal; patrocínio Eletrobras Furnas, Itaú, Vivo e CCR. 

REFAZER

A renovação do balé de 2019 já estava nos planos do grupo. “Não ficamos satisfeitos com o resultado e decidimos voltar à estaca zero a partir da trilha de Gilberto Gil”, aponta o diretor artístico Paulo Pederneiras. “É, na verdade, uma estreia, um novo espetáculo”. Além da oportunidade de homenagear Gil nos 80 anos, a decisão foi reforçada pela transformação radical que o mundo viveu nesse período - e o Brasil em particular. “Embarcamos na ideia de um renascimento, de um refazer, replantar, reconstituir”, continua Paulo. “Gilberto Gil, com sua metafísica, suas ideias e sua fundamental militância em prol do meio-ambiente se torna uma perfeita tradução da necessidade de reconstruirmos o que foi arrasado, pôr de pé novamente o que desandou”.

A bem da verdade, há uma única exceção na renovação da coreografia: o samba da Mari – solo da bailarina Mariana do Rosário na releitura de Aquele Abraço. “Fora isso, é tudo absolutamente novo”, reforça o coreógrafo Rodrigo Pederneiras. “Temos uma trilha que quase não respira, é como um rio caudaloso, de correnteza forte. Entrei nessa dinâmica, com grupos grandes em cena, em vez da prevalência de os duos e trios. E não há chão - é uma energia que sobe”. Mesmo no final, em que a música foge do habitual encaminhamento para um ápice e opta por um ralentando, a força dos movimentos “puxa para o alto”, descreve Rodrigo. 

A cenografia se apoia numa imagem de fundo em milimétrico movimento. “São girassóis que lentamente voltam à vida”, conta Paulo. “Gravamos por 15 dias ininterruptos a transformação das flores vivas em plantas murchas, encerradas num local fechado; na projeção do palco, invertemos o processo. O público vai acompanhar, a princípio sem perceber e no final de maneira explícita, a vida que retorna”. Vestidos de linho em tom cru – moças de camisa sobre uma malha de duas peças, rapazes de calça e camisa de corte casual - os bailarinos dançam sob a luz “branca e simples”, como diz Paulo Pederneiras.

A MÚSICA DE GIL

Aquele Abraço, Realce, Tempo Rei, Andar com Fé, Toda Menina Baiana, Sítio do Picapau Amarelo, Raça Humana: na trilha de 38 minutos, surgem frases e temas de canções de Gilberto Gil - retrabalhadas, mas perfeitamente reconhecíveis nas suas variações. O arco traz quatro temáticas, ou quatro ambientes musicais, na definição do compositor: um choro instrumental; uma abordagem camerística (com inspiração“ em Brahms ou Satie”, aponta ele); um terceiro momento de liberdade improvisadora e, finalmente, uma construção abstrata baseada em figuras geométricas. “Círculo, triângulo, retângulo, pentágono, a volta ao círculo e finalmente a dissolução numa linha reta”, explica Gilberto Gil.

Nos arranjos, se alternam os tambores ancestrais e as distorções do aparato eletrônico; o afoxé e o naipe de sopros de pegada jazzística; a modinha e o berimbau. As citações bailam entre si, entrecruzando-se e dialogando enquanto o arco da trilha avança. “O fechamento da trilha traz ainda um poema concreto recitado por Gil, onde as cinco letras de CORPO se desdobram em CRAVO, CEDRO, FLORA, PALCO, PERNA, BRAÇO, PEDRA. “Ouvindo o resultado final, percebo que há muitos elementos da minha dimensão rítmica mesmo, elementos da Bahia, da música afro-baiana”, conclui o compositor.

Banda: Gilberto Gil (violão, voz) / Bem Gil (guitarra) / Danilo Andrade (teclado, piano elétrico) / Domenico Lancelotti (MPC, bateria, percussão) / Thiago Queiroz, Diogo Gomes (sopros) / Bruno di Lullo (baixo) / José Gil (percussão) / Thomas Harres (balafon)

A VOLTA DE ONQOTÔ: BIG-BANG E FLA-FLU, GREGÓRIO E CAMÕES

O balé criado para a celebração de 30 anos do GRUPO CORPO, em 2005, se atira para o universo: olha para o Big-Bang, a gênese cósmica. O tema proposto por Caetano Veloso e José Miguel Wisnik explora a sensação de pequenez do ser humano na imensidão do tempo e do espaço – e, com bom-humor, para o Big Mac e para a provocadora frase do dramaturgo Nelson Rodrigues, fanático tricolor: “O Fla-Flu começou 40 minutos antes do nada”.

Batizado de ONQOTÔ - corruptela de uma das indagações existenciais que permeiam a criação da trilha e do espetáculo – “Onde que eu estou?”, “Para onde que eu vou?”, “Quem que eu sou?”; ou, em delicioso mineirês, “Onqotô?”, “Pronqovô”, “Qemqosô?”.

Com 42 minutos de duração, a trilha, produzida por Alê Siqueira, estabelece uma sucessão de diálogos musicais e poéticos em torno das “cenas de origem” eleitas por seus criadores (Big-Bang e Fla-Flu) somadas ao sentimento de desamparo inerente à condição humana.

“ONQOTÔ foi um presente que Caetano e Wisnik nos deram”, diz Rodrigo Pederneiras. “A trilha nos deu chance de criar sobre momentos fenomenais, como Mortal loucura, com citações muito fortes, Gregório de Matos, Camões, Carlos Drummond de Andrade”. Com muitas cenas de chão, o balé contrapõe vertical e horizontal, caos e ordenação, força e suavidade. São nove temas – cinco deles assinados pela dupla e os outros quatro, canções criadas separadamente, duas das quais parcerias com poetas seminais da língua portuguesa: Caetano Veloso musicou meia estrofe de Os Lusíadas, de Luís de Camões; José Miguel Wisnik, um soneto barroco do século XVII, de autoria do poeta baiano Gregório de Matos. Wisnik interpreta Madre Deus, de Caetano, especialmente composta; Caetano faz uma releitura de Pesar do Mundo, de Wisnik e Paulo das Neves, de 1993.

Gravada nos estúdios de Carlinhos Brown no Candeal, a trilha mistura a percussão inconfundível com múltiplas vozes sobrepostas e intervenções de piano, guitarra elétrica, contrabaixo, acordeom, flautas e cordas. O rítmico e o timbrístico se alterna com o lirismo das canções, com participações do grupo Hip-Hop Roots, do Candeal, e da voz de Greice.

A cenografia de Paulo Pederneiras abole as coxias e apresenta um espaço côncavo formado por uma cortina de longas tiras de borracha cor de grafite que permite que as entradas e saídas de cena dos bailarinos se processem por qualquer ponto do palco. Os refletores são posicionados na estrutura circular do cenário, como num estádio de futebol. Os figurinos de Freusa Zechmeister, malhas inteiriças justas, são, a princípio, monocromáticas e escuras, provocando um efeito de fusão; aos poucos, os grupos de bailarinos vão se diferenciando em detalhes e combinações, como as malhas vermelhas
com meiões e joelheiras dos times no Fla-Flu primordial.

“ONQOTÔ é das peças mais fortes do GRUPO CORPO”, destaca Paulo Pederneiras. “Foi uma alegria enorme para todo o grupo a escolha desse balé para a temporada 2022”.

Foto: Grupo Corpo_Gil Refazendo_Crédito_José Luiz Pederneiras

GIL REFAZENDO (2022) - Duração: 38 minutos
Coreografia Rodrigo Pederneiras. Música Gilberto Gil .
Cenografia Paulo Pederneiras. Figurinos Freusa Zechmeister
Iluminação Paulo Pederneiras e Gabriel Pederneiras
Intervalo
ONQOTÔ (2005) - Duração: 42 minutos  
Coreografia Rodrigo Pederneiras . Música Caetano Veloso e José Miguel Wisnik
Cenografia e Iluminação Paulo Pederneiras. Figurinos Freusa Zechmeister.
Classificação etária: 14 ANOS

 

Projeto viabilizado pela LEI FEDERAL DE INCENTIVO À CULTURA
Patrocínio premium: INSTITUTO CULTURAL VALE
Patrocínio master: ARCELORMITTAL
Patrocínio: ELETROBRAS FURNAS, ITAÚ, VIVO E CCR
Realização: SECRETARIA ESPECIAL DA CULTURA, MINISTÉRIO DO TURISMO

                                                                                                   

                                                                                                                 SÃO PAULO
10 a 14 | 17 a 21 de agosto – Quarta a domingo
Quartas, quintas e sextas 20h30. Sábados 20h. Domingos 18h.
TEATRO ALFA
(Rua Bento Branco de Andrade Filho, 722, Santo Amaro ?11 5693-4000 | 0300 789-3377)
De R$ 50 a R$ 200
Venda de ingressos:
Pelo telefone [11] 5693 4000
Na bilheteria do Teatro Alfa [sem taxa de serviço] - de 2a a 6ª, das 11h às 16h, pagamento com cartão de crédito.
Venda online www.sympla.com.br (com taxa de conveniência)
Acessibilidade - motora e visual.
Estacionamento: Sala A, com manobrista, R$ 40; Auto estacionamento (em frente ao teatro), R$ 35
Mais informações: www.teatroalfa.com.br/temporada2022
Voltar