× O ClickOnDance vai mudar! Em breve novidades sobre a nova experiência de aulas online que estamos preparando para você. Nosso portal segue com atualizações diárias e uma curadoria especial com dicas do mundo da dança. Acompanhe também nosso instagram: www.instagram.com/clickondance

05/08/2022 - Explore a quietude nas suas coreografias


A quietude pode ser alta ou silenciosa, virtuosa ou receptiva. O butô japonês usa desta técnica para atrair a atenção do público; Quando alguém para de se mover, nossa atenção aumenta porque somos treinados como observadores para captar o movimento, é um pequeno truque que os dançarinos de butô usam para mudar a perspectiva do público. 

Mas há muito mais na quietude do que simplesmente a ausência de movimento, e para dançarinos acostumados a movimentos quase constantes, ficar parado pode ser um desafio físico, mental e emocional.

O poder da quietude

O coreógrafo e professor de teatro musical Al Blackstone tem um pedido surpreendente para as peças que ele julga em concursos. “Meu maior desejo para jovens dançarinos e coreógrafos em ascensão é por favor, só por um segundo, parem de se mexer”, diz ele. "Eu apenas quero ver você." Uma razão pela qual ele anseia por quietude e a emprega em seu próprio trabalho: “Quando alguém para de dançar, você tende a vê-lo de repente como um humano. Você parou de vê-los como o que eles estão fazendo, e você é capaz de vê-los como eles são.”

A quietude pode ter uma variedade de propósitos de composição, diz Blackstone, cada um dos quais impactará a abordagem de um dançarino: a quietude está sendo usada para congelar ou expandir o tempo? 

Para mudar o foco para alguém ou algo no palco? Para chamar a atenção para a forma que o corpo está fazendo? Para contrastar poderosamente o movimento? Seja qual for a intenção, diz Portier, tenha em mente que “há uma diferença entre parar e apenas manter uma forma versus realmente se envolver com a quietude como um ato de composição e performance”.

Para Vangeline, isso significa permitir que o impulso gerado pelo movimento continue em silêncio, em vez de “esvaziar como um balão” quando o movimento parar. Afinal, nunca estamos realmente parados; continuamos a respirar. 

Como cultivá-la

A quietude vai contra as inclinações naturais dos dançarinos, por razões óbvias. Mas Vangeline diz que há uma razão mais profunda pela qual a quietude pode ser tão difícil de incorporar: “É uma coisa cultural – não experimentamos muito a quietude no mundo ocidental”, diz ela. Além de exigir paciência, ficar quieto convida os dançarinos a se sentarem com seu eu interior de uma maneira que às vezes pode ser desafiadora, diz Portier.

Mas, assim como o movimento, o conforto e o comando da quietude podem ser obtidos com a prática. Vangeline recomenda a meditação como uma maneira de começar a se envolver com a quietude. Uma meditação respiratória no início da aula ou ensaio pode ajudar a acalmar o sistema nervoso e cultivar um sentimento de centralidade. E uma meditação ou pausa no final da aula, é uma oportunidade não apenas de se envolver com a quietude, mas também de assimilar as informações aprendidas durante a aula. Portier também às vezes opta por encerrar suas aulas em silêncio, o que ela vê como uma chance para os dançarinos “peneirarem qualquer coisa que não precisem levar com eles”.

Se ficar completamente parado parece muito assustador no começo, Vangeline diz que simplesmente desacelerar traz benefícios. Tente começar com uma caminhada bem lenta, seja no estúdio ou por conta própria. “O que pensamos como velocidade normal é, na verdade, muito rápido para o sistema nervoso”, diz ela. “Ao ir mais devagar, começamos a prestar mais atenção à sensibilidade do corpo e à experiência interna da dança.” Ela também gosta deste exercício de Noguchi taiso: Feche uma mão em punho, depois leve três minutos para abrir a mão muito lentamente e mais três minutos para fechá-la novamente. Ela recomenda que os dançarinos tentem outras práticas de movimento que enfatizem a quietude ou a lentidão, como butoh e tai chi.

Por que praticar a quietude?

Envolver-se com a quietude significa “ter acesso a toda a minha gama de paletas” e pode trazer benefícios além da dança como espaço de reflexão, gratidão e catarse. Ficar parado significa reconhecer que você tem valor mesmo quando não está se movendo. 

Voltar