04/02/2019 - "5 Passos para não cair no abismo" e "Olhares alheios" - SP


“5 Passos para não cair no abismo”

O texto “Vórtice, voragem, vertigem”, de Caio Fernando Abreu, serve como reflexão quando a coreógrafa Sonia Destri Lie pensa no nome do espetáculo “5 Passos para não cair no abismo”. Para ela, deveria se chamar “vogarem” – aquilo que sorve ou devora – ou “vórtice”, tudo que subverte ou consome. É dessa forma que a Companhia se sente, usando esse trabalho para falar das histórias que temos, tanto as que conseguimos mudar quanto as que continuam iguais, íntimas e ligadas à nós eternamente.

A Companhia Urbana de Dança é formada por dançarinos que vieram de áreas de risco do Rio de Janeiro. Por isso, a grupo parte de um espaço da sociedade em que a desilusão e o preconceito são muito presentes. E, para sair dessa posição e fazer algo acontecer, os caminhos encontrados são cheios de abismos que os observam e os espreitam, como uma emboscada. Em “5 Passos para não cair no abismo”, a Cia mostra que não há sinais de que o grupo desistirá da sua história de 12 anos e que, para isso, o melhor que fazem é dançarem juntos. Dançar para não cair no abismo.

“Olhares alheios”

“Olhares alheios” é uma peça que propõe uma exploração lúdica das múltiplas facetas da vida brasileira, do absurdo dos tempos atuais e da mágica de um futuro a ser inventado a cada dia. Ao investigar as realidades e curiosidades, o lado escuro e brilhante do Brasil, a Companhia Repentistas do Corpo se pergunta: “O que resulta da dicotomia entre as duras realidades e o jeitinho brasileiro? ”.

Com um olhar cruzado sobre a brasilidade vista do outro lado do oceano, o grupo procura pela alma brasileira vista no espelho de um olhar alheio. Esse olhar é cheio de ironia, seletivo e também carrega poesia e carinho. Indo também por outro caminho, fechar os olhos se torna outra maneira de enxergar: o corpo transforma-se, um corpo à flor da pele.

A peça é o resultado de um convite feito pela Cia. Repentistas do Corpo aos coreógrafos Denise Namura, paulistana, e Michael Bugdahn, alemão, da compagnie À fleur de Peau, radicada na França.

Enquanto a companhia de São Paulo é conhecida pela mistura de dança, poesia e percussão corporal, a companhia francesa – que festejará em 2019 os 30 anos de sua existência – se destaca por uma linguagem coreográfica detalhista e precisa, propondo uma teatralização do movimento dançado e o enfoque na dramaturgia de suas criações.

Cia. Urbana de Dança

Formada em 2005 e dirigida por Sonia Destri Lie, a companhia do Rio de Janeiro realiza um trabalho de pesquisa das raízes culturais brasileiras e o resultado disso é colocado em diálogo com as tendências contemporâneas da dança urbana, além de produzir material cênico e coreográfico potente.

Os espetáculos trazem as identidades de seus bailarinos, com suas referências e atitudes. Algo que é brasileiro e afrodescendente mas também consegue ser traduzível ao mundo, sendo uma forma de colocar em destaque os talentos de jovens brasileiros negros e pobres na modernidade, numa postura afirmativa e pluralista.

A companhia já fez temporadas na França, Itália, e nos Estados Unidos. Em 2010, se apresentou em grandes salas americanas como The New York City Center, The Kennedy Center, The Joyce Theater e Walker Center e ofereceram residências em universidades do exterior.

Cia. Repentistas do Corpo

Fundada em 2001, a companhia paulista é formada por artistas do cenário da dança contemporânea brasileira com bagagem artística e cultural associada à proposta de pesquisa consistente e inovadora. A investigação do grupo resulta em uma interdisciplinaridade entre a dança contemporânea, o teatro, a música e a percussão corporal.

Essa combinação é inspirada pelas diferentes manifestações da cultura brasileira e as suas identidades, como literatura, a música e as festividades. Além disso, o contexto histórico do país é outro ponto para o embasamento das pesquisas e práticas. Assim, a Cia encontra novos significados para a dança e a maneira brasileira de estar no mundo.

Ficha Técnica

5 Passos para não cair no abismo
Cia. Urbana de Dança

Coreografia: Sonia Destri Lie e Companhia Urbana de Dança
Direção artística e dancing design: Sonia Destri Lie
Elenco: Tiago Sousa, Miguel Fernandes, Andre Virgilio, Rafael Balbino, Julio Rocha, Jessica Nascimento e Johnny Britto
Produção musical: Rodrigo Marc¸al
Operação de luz e som: Ton Bernardesi
Assistência de direção: Tiago Sousa
Ensaio e assistência de coreografia: Miguel Fernandez
Assistência de Produção: Jessica Nascimento/Criação de luz: Renato Machado
Produção local: Claudia Bueno

Olhares alheios
Cia. Repentistas do Corpo

Concepção, coreografia, direção e dramaturgia: Michael Bugdahn e Denise Namura
Elenco: Cláudia Christ e Sérgio Rocha
Desenho de luz, trilha sonora e pesquisa musical: Michael Bugdahn
Concepção e montagem de vídeo: Michael Bugdahn
Figurinos: Denise Namura
Operador de luz: Mario Spatizziani
Operador de som e vídeo: Alex Olobardi

Foto destaque: Renato Mangolin

SERVIÇO
5 Passos para não cair no abismo

Cia. Urbana de Dança
Data: 08 de fevereiro de 2019
Horário: Sexta, 21h
Local: Sesc Santo Amaro – Teatro (1º andar)
Rua Amador Bueno, 505 – Santo AMaro, São Paulo – SP
Ingressos: R$ 17,00 (inteira); R$ 8,50 (meia) e R$ 5,00 (Credencial Plena)
Duração: 60 minutos – aproximadamente
Classificação: 16 anos

Olhares alheios
Cia. Repentistas do Corpo
Data: 16 de fevereiro de 2019
Horário: Sábado, 20h
Local: Sesc Santo Amaro – Teatro (1º andar)
Rua Amador Bueno, 505 – Santo AMaro, São Paulo – SP
Ingressos: R$ 17,00 (inteira); R$ 8,50 (meia) e R$ 5,00 (Credencial Plena)
Duração: 80 minutos
Classificação: 14 anos

Voltar