15/04/2019 - "ERA" - SM Crew - SP


Sobre o Espetáculo

Era.
Era uma vez
Uma era que não volta mais!
Somos corpos em busca de diferenças , estamos ,vamos ,buscamos juntos nosso espaço,
nossa existência , queremos sair fora dessa rotina , queremos delirar dos nossos sonhos,
queremos mostrar nossa identidade, queremos, queremos tantas coisas.
Mas quem disse que querer é poder!?
Quem disse que nós temos o poder!?

Somos criadores da nossa própria história, então vamos buscar essa Era que já foi um dia, pois pra ser o novo tem que existir o’que era, mas o’que era já foi e o novo nos espera.

É com esta imagética, que nos descobrimos a cada minuto , nesta única história contada , por telespectadores, apoiados por paradigmas e pré conceito de uma cultura, com suas singularidades, ideologias e contextos, onde são narradas por uma só voz.

Desde dos primórdio, a cultura Hip Hop se encontra em controvérsia a está realidade, elitista,racista. Seu movimento, tem como base a incessante pugna, que o Bronks enfrentava, naquela época. Sua forma de combate, era através de 4 elementos, que compõem a cultura Hip Hop,sendo eles: Djs,Grafiteiros,Freestyles e Mc´s. Estes mecanismos fizeram com que a comunidade do Bronks, tivesse instrumentos para ir em busca, de seus direitos.

Consequentemente sua origem nos inspira , tanto na coragem de ir em busca de um ideal até sua luta por uma equidade entre raças,onde naquela época,a dignidade do mesmo estava sendo discutida por pessoas, que não sentiam na pele o que é ser Negro.No qual carrega em sua história, um intensa luta de sobrevivência para que hoje, pudéssemos ser vistos como alguém, para que sentássemos em qualquer lugar do ônibus até mesmo termos os mesmo direito de ir e vir. Atualmente ,estamos voltando a paradigmas , que nosso antepassado havia conquistado em prol de melhoria de conduta, estão apagando nosso princípios, cessando nossas histórias, deixando cinzanossa poesia e nos calando cada vez mais.

Nós, do grupo vivenciamos esta luta diária , onde o preconceito , origina se em casa, em diferentes contexto, seja ele não ter condições financeiras para ir até o local de ensaio, falta de apoio entre os meios de convivências até dividir a própria alimentação com o grupo.

Vivenciado esta realidade, que nos constroem , que nos cercam.Produzimos em 2017 o segundo espetáculo do SM , que traz atravessamentos de um corpo cotidiano, que usa seus paradigmas a favor de estudos de movimentações , onde criam uma linha de pensamento através do passado, presente e um possível futuro, traçado por uma relação com as danças urbanas e atravessamentos de contemporâneo. O mesmo tem como foco a construção de uma linha cronológica em contexto diversos, vivenciados pelos componentes do grupo, onde irá desde os princípios da cultura do Hip Hop que esta sendo cessados; avanço tecnológico e suas complicações do cotidiano; a falta de interação do seres até a regressão do futuro para o passado (Cazuza – O tempo não para).

Sobre o SM Crew

Street Movement (SM Crew) , iniciou-se em 2012 a partir de um programa de aulas, fornecido pela EAD localizado no Ceu Campo Limpo. Entre um dos cronogramas, havia aulas de Danças Urbanas, orientado pelo Marcos Gonçalves (Bboy Kinho). Partindo da grande demanda de desenvolvimento dos orientados,o mesmo compreendeu que poderia criar um grupo autogestionado para fins de aprofundamento, teórico e prático das Danças Urbanas. Após a saída de Marcos G., o grupo continuou residindo com os integrantes iniciais, que desde então levam o grupo como a mesma ideologia inicial.

Foto: Facebook

ERA
SM Crew

SERVIÇO
Data: 
20 e 21 de abril de 2019
Horário: Sábado, 19h, domingo, 18h
Local: Fábrica de Cultura São Luis
Rua Antônio Ramos Rosa, 651 – Jardim São Luis, São Paulo – SP
Ingresso: Grátis

 

Voltar