03/05/2019 - Já ouviu falar sobre a dança esportiva?


Primeiramente deixa eu me apresentar. Meu nome é Olga Kobleva. Sou atleta e professora de dança esportiva com experiência de cerca de 20 anos. Originalmente de Moscou, Rússia, eu representei também outros países (Bielorrússia e Portugal) nas competições internacionais ganhando vários prêmios. Durante os dois últimos anos, moro e trabalho no Brasil ajudando a popularizar e elevar o nível desse gênero de dança nessa terra linda.
Então, o que é essa “misteriosa” dança esportiva? O gênero é conhecido no mundo como Ballroom Dancing ou Dancesport, Baile Desportivo, também pode encontrar o nome “dança desportiva”.

É uma elegante mistura de arte e esporte, modalidade competitiva da dança de salão, reconhecida pelo Comitê Olímpico Internacional. Duas maiores entidades
regem-a no mundo: a Federação Mundial de Dança Esportiva (WDSF) e o Conselho Mundial de Dança (WDC).
Tendo raízes fortes de dança de salão,a dança esportiva começou sua história no século 20. Entre as décadas de 1910 -1930 se desenvolveu bastante nos Estados Unidos e Europa (principalmente na Inglaterra), onde foram desenvolvidas as técnicas e competições que conhecemos hoje em dia. O primeiro Campeonato Mundial aconteceu em 1936 na Alemanha, atraindo competidores de quinze países e três continentes.

A Dança Esportiva inclui 2 estilos: estilo americano (American Smooth e Rhythm) que é extremamente popular nos EUA e estilo internacional (International Standard e Latin), que tem mais países-representantes no mundo, inclusive Brasil. Modalidades estão divididas em 10 tipos de danças - no Standard: Valsa Lenta/ Inglesa, Tango Internacional (diferente de Tango Argentino), Valsa Vienense, Slow Fox e QuickStep; e no Latin: Samba Internacional (que tem nada ver com o Samba Brasileiro), Cha-cha-cha, Rumba, Paso Doble e Jive.

A diferença mais importante entre a dança esportiva da dança de salão, é que a primeira como qualquer esporte é regida com regras e possui vários livros com nomenclatura própria, chamada Syllabus, é dividida em três categorias, bronze (iniciante), prata (intermediário) e ouro (avançado).
Na América Latina a dança esportiva é relativamente uma nova modalidade, existe há aproximadamente 15 anos e está representada no México, Guatemala, Trinidad e Tobago, Costa Rica, Colômbia, Equador, Peru, Brasil, Bolívia, Uruguai, Paraguai, Chile e Argentina.

No Brasil, esse gênero foi trazido pelos imigrantes japoneses e desde 2007 tornou- se um esporte competitivo. A federação que coordena a dança esportiva no Brasil se chama, Conselho Nacional de Dança Desportiva e de Salão (CNDDS http://www.cndds.org.br/) fundado em 2013, hoje é presidido por William Miyashiro e tem sua sede em São Paulo, capital.
Aqui no Brasil temos estúdios e escolas especializadas nos estados de Pernambuco, Minas Gerais, Distrito Federal e Rio Grande do Sul, mas o estado de São Paulo ganha em número de atletas e professores, sendo o principal foco da categoria de dança no país.

No momento atual o CNDDS organiza quatros etapas das competições nacionais:em Santos, Jundiaí, Brasília e Porto Alegre. No ano passado eu fui convidada para arbitrar e dar workshops em três desses competições diferentes, além de dar aulas regulares de grupo e particulares em São Paulo e outras cidades. Eu gostei muito da experiência, os organizadores estão fazendo um bom trabalho. Pra mim é sempre um grande prazer de compartilhar o meu conhecimento, tudo o que eu aprendi com lendas de Ballroom Dancing na minha carreira, com atletas brasileiras, tendo oportunidade de contribuir no desenvolvimento e elevar o nível da dança esportiva nesse país.
Espero que o Brasil consiga agregar mais atletas e competições em seu cronograma. Porque o potencial desse país é muito grande, e com boa estratégia e
dedicação o nível de Dancesport crescerá aqui com toda certeza!

Artigo de: Olga Kobleva.

 

Voltar