28/06/2019 - 10 fotos que representam a sensível trajetória de Pina Bausch


Para quem não conhece Philippine Bausch, mais conhecida como Pina Bausch. Foi umas das maiores bailarinas, coreografas e diretoras do Contemporâneo, nasceu em 27 de Julho de 1940, na cidade industrial de Solingen, na Alemanha. Aos 14 anos Bausch ingressou na escola Folkwang, em Essen, dirigida pelo maior e mais influente coreógrafo alemão da época- Kurt Jooss, a quem ela carinhosamente chama de “ Papa Jooss".

 "Eu sempre tive muito medo de fazer alguma coisa, mas eu gostava muito de fazer dança. E mais ou menos no final da escola quando a gente pode ou deve escolher o que vai ser, porque sabe que a escola vai terminar – então já estava claro para mim: iria estudar dança." (BAUSCH, Pina. In. PEREIRA, 2007)

Bausch se graduou no ano de 1958 e aos 19 anos, foi uma das poucas estudantes alemãs a conseguir uma bolsa de estudos em Nova York, no Juilliard School of Music.

No começo as coisas foram difíceis, o público não compreendia a linguagem coreográfica de Bausch, achavam-a rebelde e com ausência de dança. Mas, é claro, ela não se intimidou e seguiu adiante com seus ideais.

"Quando comecei a coreografar, nunca tratei a dança como só 'coreografia', mas como expressão de sentimentos. Cada peça é diferente,difícil de se colocar em palavras. Num trabalho, cada coisa está entrelaçada- a música, o cenário, o movimento e tudo que é dito. Eu não sei onde uma coisa pára e a outra começa, e eu não preciso de analisar isto. Limitaria o trabalho se fosse tão analítica”. ( BAUSCH, Pina.New York Times, Setembro 29, 1985)

“Amo dançar porque sempre tive medo de falar”. Disse Pina em entrevista.

Pina ficou conhecida principalmente por contar histórias enquanto dança, suas coreografias eram baseadas nas experiências de vida dos bailarinos e feitas conjuntamente. Várias delas são relacionadas a cidades de todo o mundo, já que a coreógrafa retirava de suas turnês ideias para seu trabalho.

Em 2007, Pina Bausch foi agraciada com o Prêmio Kyoto  e, em 2008, com o Prêmio Goethe.

Pina rompeu com formas tradicionais da dança-teatro, utilizando-se de ações paralelas, contraposições estéticas, criando uma linguagem corporal inovadora.

Sentimos sua falta Pina, você nos inspira todos os dias.

 

Voltar