26/04/2021 - Obra de dança audiovisual se questiona: o que era o futuro?


Nesta quarta-feira, 28 de abril, véspera do Dia Internacional da Dança, o Nii Colaboratório estreia “Estio_rito em lapso”, um experimento audiovisual totalmente criado em meio à pandemia, durante os últimos três meses, com distanciamento social. O elenco, com nove artistas da dança da Bahia, foi também responsável pelo próprio registro em vídeo de suas interpretações, sob direção artística de Alana Falcão, Melissa Figueiredo e Neemias Santana, direção de fotografia de João Rafael Neto e trilha sonora de Ramon Gonçalves. O trabalho entra no ar às 19h, no canal de YouTube do Teatro Castro Alves (TCA) – www.youtube.com/teatrocastroalvesoficial –, que abriga esta exibição inédita dentro do palco digital “TCA de Braços Abertos – Especial Mês Internacional da Dança”.

O Nii Colaboratório é uma plataforma de artistas e produtores da dança, articulada com os diversos campos da arte, que desenvolve, a partir da capital baiana, ações locais e internacionais de criação, formação, pesquisa e difusão. Em 2018, Nii estreou o espetáculo futurista “Estio”, que se elaborou a partir de ideias de um mundo desolado e em ruínas, recursos escassos, contexto geral ameaçador e pouco conhecido. Esta premissa, que então soa como presságio para os tempos de agora, se atualizou de sentidos na circunstância pandêmica e teve sua pertinência revisitada na proposição do projeto “Estio_Distopias Coreográficas”, que resultou nesta criação que é entrecruzada por futuro, isolamento, precariedade, exaustão, sobrevivência.

O que era o futuro? Aquilo que esperavam não tinha vindo. Os sentidos traçados em “Estio” são postos em perspectiva e reposicionados em “Estio_rito em lapso”. Acreditando que as obras se atualizam com os tempos, bem como atualizam os tempos, pergunta-se que respostas ao presente “Estio” pode oferecer. Nesse novo trabalho, junto a artistas convidades, Nii Colaboratorio se interessa em colocar aquelas ideias de distopias coreográficas em novos termos, levando em consideração a pandemia do presente e investigando, ainda, que danças emergem quando o virtual e o real passam a ser equivalentes. Como insistir frente à desolação e ao esquecimento? Futuros ainda podem ser inventados?

“Estio_Distopias Coreográficas” foi contemplado pelo Prêmio Anselmo Serrat de Linguagens Artísticas, da Fundação Gregório de Mattos, Prefeitura Municipal de Salvador, por meio da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, com recursos oriundos da Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo, Governo Federal.

LABORATÓRIOS: A jornada de criação de uma obra de dança audiovisual do projeto “Estio_Distopias Coreográficas” foi iniciada em janeiro. O processo coreográfico foi orientado a partir de dois laboratórios públicos de práticas de dança, realizados naquele mês e ministrados por Melissa Figueiredo e Neemias Santana, provocando assim o repertório simbólico e corporal de seu desenvolvimento. Passados mais de dois meses e prestes a então estrear o experimento “Estio_rito em lapso”, um terceiro laboratório debateu o conteúdo disparador do trabalho: a distopia, sob condução de Alana Falcão. Registros do processo podem ser vistos na página de Instagram www.instagram.com/niicolaboratorio.

SERVIÇO - ||| Estreia |||
Estio_rito em lapso - Nii Colaboratório

Data: 28 de abril de 2021 (quarta-feira)
Horário: 19h
Local: Canal de YouTube do Teatro Castro Alves (www.youtube.com/teatrocastroalvesoficial)

Ficha Técnica

Direção Artística Geral: Alana Falcão, Melissa Figueiredo e Neemias Santana
Elenco e imagens: Ana Brandão, Cami Carvalho, João Rafael Neto, Joely Silva, Luana Fulô, Marcos Ferreira, Ruan Wills, Sebastião Abreu e Thiago Cohen
Direção de Fotografia: João Rafael Neto
Direção de Arte: Alana Falcão
Trilha Sonora: Ramon Gonçalves – AURATA
Montagem e finalização: Wendel Assis
Assistência de montagem: Maria Mango
Comunicação: Marcatexto Comunicação
Design: Ramon Gonçalves
Produção Executiva: Geovana Araujo Marques
Realização: Nii Colaboratório

Voltar