26/04/2021 - "Q?" encerra a temporada de "Será que estamos?"


Artistas apresentam performance pelo Youtube com recursos de acessibilidade para pessoas cegas

 

O “Q?” encerra a temporada de “Será que estamos?” utilizando o recurso de audiodescrição, tornando o espetáculo acessível para pessoas com deficiência visual. A montagem reflete sobre quem somos nós de verdade, em um mundo governado por decisões que desrespeitam nossas características mais profundas. 

 

O “Q?” convida pessoas com deficiência visual para uma experiência com a dança em formato digital

 

Nos dias 29 e 30 de abril de 2021, o “Q?” realiza as últimas apresentações da temporada de estreia de “Será que estamos?”. Com audiodescrição simultânea, as apresentações tem como objetivo tornar o espetáculo acessível para pessoas com deficiência visual, proporcionando a elas uma experiência interessante com a dança contemporânea em formato digital. 

 

As transmissões de “Será que estamos?”serão gratuitas e realizadas no canal do Q? no Youtube (www.youtube.com/channel/UCQNWEZSB8rpmJE0vAEWg7dQ). Os vídeos foram gravados no Teatro de Contêiner Mungunzá, seguindo todos os protocolos de segurança, preservando a integridade da equipe. 

 

O  Q? é um ambiente de trabalho formado por Renato Vasconcellos e Rodrigo Raiz, artistas ligados à cena performativa do corpo, principalmente a partir da dança, que se uniram com o interesse em comum de discutir sobre o espaço público e toda sua complexidade política. 

 

“Será que estamos?” explora as nuances do processo de cada pessoa como indivíduo ao se permitir se perceber genuinamente ou não, em um mundo onde os corpos são governados por muitas decisões arbitrárias, que desrespeitam as nossas necessidades mais íntimas e profundas.

 

A performance é inspirada no trabalho visceral do escultor e performer congolês, Olivier de Sagazan, na série de performance existencial intitulada "Transfiguration", em que o artista constrói camadas de massa de argila e tinta em seu rosto e corpo para transformar, desfigurar e destruir sua própria figura revelando um humano animalístico que busca fugir do mundo físico.

 

Com toalhas que escondem a cabeça e os traços do rosto de cada artista, “Será que estamos?” reflete sobre o que é público a partir da face, afinal o rosto possibilita ao ser humano muitas formas de reconhecimento e identidade. 

 

A brincadeira feita pelas crianças em que uma toalha é usada para parecer cabelo comprido é o fio condutor da performance, uma vez que esta ação permite assumir e experimentar uma “mulheridade”. Esta passou a ser uma das tônicas da pesquisa artística do “Q?”, a partir daí questionando as formas humanas de identificação e sua ocupação do espaço público, como lugar de exercício da cidadania. 

 

O ato de pôr a toalha na cabeça pulsiona esta criação e recria possíveis identidades que poderiam ser assumidas, nem todas sociáveis e, por isso, livres de questões identitárias. O mesmo ato dependendo da circunstância é também um sufocamento. 

 

“As toalhas nas cabeças fizeram surgir máscaras dentro de uma lógica de controle similar a que Sagazan experimenta com suas máscaras de argila, criadas por cima de seu rosto. Então temos um trabalho para a imaginação e para a memória, principalmente quando existe um desgoverno em relação ao espaço”,  comenta Renato Vasconcellos. 

 

Na dança feita por Raiz e Vasconcellos a manipulação constante do espaço e do tempo corrobora para o aparecimento de diferentes expressões, sem terem o menor controle delas. A visão impedida ou turva em razão do uso da toalha, que poderia levá-los a um colapso,  representa a possibilidade de cura das mais remotas ações de uma infância viada. 

 

“Percebemos que nossas visões, ou a falta delas, não nos ajudam a saber exatamente o lugar que ocupamos no mundo. Alguma identidade, e mesmo as subjetividades, nos parecem armadilhas modernas. Seu produto é o corpo, e caso não queiramos ser vendidos ou tão pouco comprados é necessário estratégias para continuar exercendo um “eu-nós” desatados”, finaliza Vasconcellos. 

 

O processo de criação da performance “Será que estamos?” teve início em 2019, entre experimentações em espaço externo e posteriormente dentro das dependências do CRDSP - Centro de Referência a Dança da Cidade de São Paulo, localizado no Vale do Anhangabaú. 

 

As ações fazem parte do projeto “Flexões do Sujeito: Será que estamos rindo?” contemplado no Edital Proac Expresso Lei Aldir Blanc Nº 37/2020. 

 

FICHA TÉCNICA

Criação, direção e interpretação: Renato Vasconcellos e Rodrig Raiz | Produção: Camila Ziviani | Trilha Sonora: Denis Duarte e DJ Mistaluba | Música ao vivo: George Ferreira | Imagens: Márcio Vasconcelos, Renato Nonato e Verônica Pereira | Captação de áudio: Renato Nonato | Montagem e Edição de vídeo: Márcio Vasconcelos | Iluminadora: Silviane Ticher | Figurino: Alex Leandro | Assessoria de Imprensa: Luciana Gandelini | Projeto Gráfico e Mídias Sociais: Samuel Tomé | Colaboradores: Provocadores: Ivana Motta, Biba Rigo, Valdirene Garcia Ciola, Gregory da Silva Balthazar, Paula Petreca e Priscila Lima | Tradutor e intérprete de libras: Mariana Lais de Lima

 

SERVIÇO 
Será que estamos?

Sinopse: Referências de um tempo presente que trazem à tona as memórias de infância de uma criança viada, seu processo de reconhecimento no mundo e ressignificação, através de um exercício de se transformar e se transfigurar. As incursões de “crianças viadas” em um plano fantasioso que tendiam para as identificações com o feminino, hoje friccionam a atualidade e geram a dança. Duração: 50 minutos

Data: 29 e 30 de abril de 2021 – Quinta-feira, Sexta-feira
Horário: 20:30
Plataforma: Canal do Q? no Youtube - www.youtube.com/channel/UCQNWEZSB8rpmJE0vAEWg7dQ
Classificação Livre
Grátis 
Acessibilidade: Audiodescrição
Gênero: Performance. Dança

 

Voltar