05/11/2021 - MASTERCLASSES VOLTADAS PARA AS ÁREAS TÉCNICAS DA CULTURA SÃO DIVULGADAS PELO HUB CULTURAL DO CEARÁ EM NOVEMBRO


O programa Faz a Cena - Programa Estadual de Formação nas Áreas Técnicas da Cultura chegou em sua segunda edição realizado pelo Hub Cultural do Ceará, através do Centro Cultural Porto Dragão, equipamento cultural da Secretaria da Cultura do Ceará (SecultCE) e gerido pelo Instituto Dragão do Mar (IDM). Após sua etapa com aulas semanais divididas nas 03 trilhas previstas na jornada formativa, o Faz a Cena entra em uma nova etapa com 10 masterclasses ministradas por profissionais e especialistas das áreas técnicas, tecnológicas e artísticas da Cultura. Aberto ao público, este conteúdo é acessível não apenas para os já inscritos na jornada formativa, mas também é direcionado aos interessados nas áreas da Arte e Cultura. 

Entre 08 a 19 de novembro, às 19h, no Youtube do Porto Dragão, o público está convidado a conversar com nomes como Guilherme Bonfanti para falar de iluminação cênica, Bia Lessa, para falar de direção de arte e expografia e João Boni para conversar sobre cultura, tecnologia digital e prática profissional. Para ter acesso ao conteúdo, basta acessar o Youtube do Porto Dragão nas datas programadas, sempre a partir das 19h e aproveitar. 

SOBRE O PROGRAMA FAZ A CENA 

O Faz a Cena - Programa Estadual de Formação nas Áreas Técnicas da Cultura é um programa gratuito que busca aprimorar o olhar para as ações de formação nas Áreas Técnicas das Artes, ampliando o panorama para outras áreas como as Tecnologias do Sensível e as reflexões sobre Acessibilidade na criação e produção nas Artes, através do conceito de Cena Expandida: o palco é a Cultura.

Em sua segunda edição, o Faz a Cena é composto por 03 trilhas que se complementam ao longo do programa. São elas:

  • Trilha 1 - Som, Materiais e Imagem em Cena - Áreas Técnicas das Artes 
  • Trilha 2 - Tecnologias do Sensível em Cena e Inovação para as Artes
  • Trilha 3 - Acessibilidade em Cena - Produções artísticas acessíveis

AGENDA DAS MASTERCLASSES “FAZ A CENA”
Sempre às 19h no Youtube do Porto Dragão

TRILHA 1 - Som, Materiais e Imagem em Cena - Áreas Técnicas das Artes

  • 8/11 Interdependência, com Anahí Guedes de Mello       
  • 9/11, Luz: Palco, Arquitetura, Cidade, com Lúcia Chedieck
  • 10/11, Cultura, tecnologia digital e prática profissional, com João Boni
  • 11/11 Corpos plurais e o corpo-potência, com Daniel Gonçalves  
  • 12/11, Cenografia, Direção de Arte e Expografia, com Bia Lessa 
  • 16/11, Cultura, tecnologia digital e prática profissional
  • 17/11 Recursos multissensoriais, com Roberto Vieira
  • 18/11, Som, com Ruben Feffer 
  • 19/11, Cultura, tecnologia digital e prática profissional

Foto: Bia Lessa / Divulgação

SERVIC¸O
Masterclasses do Faz a Cena 

Data: 08 a 19 de novembro,
Horário: sempre às 19h
Onde: No Youtube do Porto Dragão 
Investimento: gratuitas e abertas ao público

MINIBIO DOS ORIENTADORES

ANAHÍ GUEDES DE MELLO
Interdependência (T3)
Dia 08/11, 19h 

Antropóloga, doutora em Antropologia Social pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), pesquisadora da Anis - Instituto de Bioética; pesquisadora associada do Núcleo de Estudos sobre Deficiência da UFSC. É também coordenadora do Comitê Deficiência e Acessibilidade da Associação Brasileira de Antropologia (ABA) e membro do GT Estudios Críticos en Discapacidad do Conselho Latino-americano de Ciências Sociais (CLACSO).

LÚCIA CHEDIECK
Luz: Palco, Arquitetura, Cidade (T1)
Dia 09/11, 19h

Graduada em Artes Plástica com especialização em Iluminação e Designer de Interiores, atua como Lighting Designer, em peças de teatro, dança, performance, ópera, shows, exposições. Executa projetos de iluminação cênica, auditórios, cine teatros, galerias de arte, museus, igrejas, estúdios e residências. Tendo seu trabalho originado da cenografia de teatro, interpreta, caracteriza e traduz o espaço arquitetônico através desenho de luz, que vem da pesquisa e criação com elementos simbólicos, artísticos e lúdicos.

Professora orientadora do curso de Pós-graduação do curso de Lighting Design, e do curso de Cenografia e Figurino, no Centro Universitário de Belas Artes.

Artista convidada para Representação Brasileira para a Seção dos Países e Regiões da Quadrienal de Praga: Espaço e Design da Performance, “Reflexão artística sobre a criação do desenho de luz para o espetáculo” ,Praga-República Tcheca; Residência na Union Theatres Europe "School of Dramatic Art", com o diretor A. Vasiliev, de Moscou-Rússia; Coordenadora de Montagem de Iluminação no “Festival Internacional de Performance du Québec” em Québec-Canadá.

Tendo adquirido alguns prêmios entre eles: III Prêmio ABILUX de Arquitetura; Prêmio Shell de Teatro; Prêmio Amazônia Celular de Teatro 2001; Prêmio APETESP.

JOÃO BONI
Cultura, tecnologia digital e prática profissional (T2)
Dia 10/11, 19h

Atualmente desenvolve, filme para a Netflix, festival de música e cultura, projetos arquitetônicos comerciais e residenciais como sócio-gerente da empresa 'Beribah Arquitetura e Cenografia'.

Atuou na 'TV Globo', na função de cenógrafo, em novelas e outros produtos como o 'Criança Esperança', ‘Gabriela’, 'Caldeirão de Verão', 'Mandando Bem', 'Um Por Todos e Todos Por Um' (2007-2016). Atuou como sócio-gerente na empresa de arquitetura e cenografia 'Mastaba Arquitetura Cenográfica' (2018-2020) tendo realizado longas-metragens, publicidades, festivais músico-culturais, ativações de marcas e stands. Formado em Arquitetura e Urbanismo pela UFBA (2006), com MBA em Gerenciamento de Projetos pela FGV (2017) e atualmente mestrando na UFRJ.

DANIEL GONÇALVES
Corpos plurais e o corpo-potência (T3)
Dia 11/11, 19h

Formado em jornalismo pela PUC-Rio e pós-graduado em Cinema Documentário pela Fundação Getúlio Vargas, Daniel Gonçalves tem uma deficiência de origem desconhecida que afeta sua coordenação motora. Trabalhou na TV Globo e hoje é sócio da produtora SeuFilme. Dirigiu os documentários Tem Bala Aí? (2008); Luz Guia (2012); Como Seria? (2014); e Pela Estrada Afora (2015). Meu Nome é Daniel, seu primeiro longa-metragem, foi exibido em mais de 20 festivais, como IDFA, Festival do Rio, Mostra de São Paulo, Festival de Sydney, Festival de Cartagena e Mostra de Tiradentes.

BIA LESSA
Cenografia, Direção de Arte e Expografia (T1)
Dia 12/11, 19h

Bia Lessa, artista brasileira, realizou trabalhos nas áreas de cinema, teatro, ópera e artes plásticas. Em cinema realizou 3 longas metragens: CREDE-MI a partir da obra O Eleito de Thomas Mann, ENTÃO MORRI, prêmio de melhor longa metragem na categoria NOVOS RUMOS no Festival do RIO e está finalizando o filme TRAVESSIA a partir da obra de Guimarães Rosa. Realizou a minissérie CARTAS AO MUNDO a partir da obra de Glauber Rocha e um documentário intitulado SCAR sobre a violência contra a mulher. Seus espetáculos e filmes foram apresentados em importantes festivais entre eles, a Berlinale, Biarritz, Shangai, Jerusalém, Calcutta, Praga, Brisbane, Zurich, Munique, Colonia, Hamburgo, Dusseldorf, Southbank Centre em Londres, Centre Georges Pompidou – Paris / Theater der Welt – Munique / Sommer Theater Festival – Hamburgo / Sigma Festival – Bordeaux/ Zurcher Theater Spektakel – Zurich/ Festival Internacional – Caracas/ Festival de Outono – Madrid/ Festival des Ameriques – Montreal/ Festival Dumaurier – Toronto/ Festival de Cadiz.

Montou inúmeras peças, muitas delas adaptações literárias: Os Possessos de Dostoievski, O Homem Sem Qualidades de Robert Musil, Orlando de Virginia Woolf, Viagem ao Centro da Terra de Julio Verne, A Cena da Origem, transcrição de Haroldo de Campos da Eclesiastes entre outras.

Criou o Pavilhão do Brasil na EXPO 2000 em Hannover, Alemanha, O Pavilhão Humanidade 2012, durante a RIO +20. Reinaugurou o Theatro Municipal do Rio de Janeiro com a Ópera Il Trovatore, e atualmente estava montando Aída para o Theatro Municipal de São Paulo, quando foram interrompidos pela pandemia. Realizou importantes exposições, entre elas o Grande Sertão Veredas no Museu de Arte Moderna no Rio de Janeiro,  a exposição Claro e Explícito e Itaú contemporâneo no Centro Cultural Itaú, e a exposição Barroco Brasileiro no Bienal do Redescobrimento. Concebeu o Museu Casa de Cultura  de Paraty, o Museu do Frevo e participou da criação do Museu da Língua Portuguesa. Realizou no salão nobre da ONU a performance The Second Unveiling.

VINI FABRETTI
Cultura, tecnologia digital e prática profissional (T2)
Dia 16/11, 19h

Vini Fabretti é um Videografista, Diretor de Arte, Artista de projeção mapeada, VJ e Designer de Cenografia Digital, nascido em 1984 no Rio de Janeiro, Brasil. Gostava de desenhar desde criança, sempre foi um entusiasta pela junção de arte visuais e tecnologia. Possui Bacharelado em Desenho Industrial pela Escola de Belas Artes do Rio de Janeiro, considerada uma das melhores Escolas de Belas Artes do Brasil, reconhecida internacionalmente. Trabalha profissionalmente com videografismo e efeitos visuais desde o início dos estudos universitários, e seu primeiros trabalhos de reconhecimento, como artista visual e VJ começaram a surgir depois de ganhar o primeiro lugar no concurso The Green Project VJ, criado pela marca de whisky chamada Passport, em 2007, para eleger o melhor VJ do Brasil. Esta competição tinha a intenção de avaliar o melhor conteúdo audiovisual usando elementos da marca Passport e da cultura estética VJ.

Processo Artístico:

Vini Fabretti é um artista visual digital do Rio de Janeiro, formado na Escola de Belas-Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Sua linha de pesquisa vem de uma reflexão dos fenômenos sociais em soma a questionamentos filosóficos, gerando obras que quando figurativas possuem um caráter questionador sobre os padrões de comportamento da sociedade. Sua paleta de cores é vívida e altamente contrastada, trabalha os tons de cor de uma forma intensa. Transita nos diversos universos da arte visual digital, da pintura digital bidimensional, animação tradicional quadro-a-quadro, fotografia e composições tridimensionais. Possui um estudo de diversas linguagens visuais distintas que se desenvolvem paralelamente dependendo do projeto que está trabalhando. A referência à cultura pop retrô-vintage dos anos 80 e 90 é evidente em seu trabalho. Televisores de tubo, pixel-art, video-games 8-bit e efeitos de VHS fazem parte do seu universo visual fazendo uma ligação nostálgica a seu passado.

ROBERTO VIEIRA
Recursos multissensoriais (T3)
Dia 17/11, 19h

Possui graduação em Computação pela Universidade Federal do Ceará (2002), mestrado e doutorado em Ciência da Computação pela Universidade Federal do Ceará (2007 e 2012). Professor efetivo do Departamento de Arquitetura e Urbanismo e Design desde 2014. Desenvolve projetos de pesquisa e extensão com foco em Fabricação Digital, Design Computacional e Inclusão. Coordena o Grupo de Tecnologia Assistiva da UFC desde 2019.

RUBEN FEFFER
Som (T1)
Dia 18/11, 19h

Compositor, Tecladista, Arranjador, Produtor e Diretor Musical, é o fundador da Ultrassom Music Ideas. Compõe e produz trilhas para cinema no Brasil e no exterior, séries de tv e teatro, com trabalhos premiados e reconhecidos em diversos festivais nacionais e internacionais, como “O Menino e o Mundo” (indicado ao Oscar e vencedor de Annecy), “Guida” (vencedor do Anima Mundi e Annecy), ambos em parceria com Gustavo Kurlat, com quem também compôs “Tito e os Pássaros”. As comédias “Eu Fico Loko” e “Os Parças” são os mais recentes trabalhos no cinema live-action. É o responsável pela trilha e direção musical de diversas séries de animação nacionais, como “Irmão do Jorel”, “Under Undergrounds”,“Tom e Vinícius, “Bubu e as Corujinhas”; “Zuzubalândia”, “Boris e Rufus”. Também produziu música para realities e séries live-action como “Temporada de Moda Capricho”, “Condomínio Jacqueline” e “Eu Me Movo”. No teatro já produziu trilhas para espetáculos premiados como “Pequeno Sonho em Vermelho” (prêmio Shell) da Cia Linhas Aéreas e “Uma Trilha para Sua História" (APCA) de Gustavo Kurlat, e espetáculos de dança como “Mar de Gente”, “Corpo Vivo” e "Próximo Passo”, do coreógrafo Ivaldo Bertazzo. Além disso, criou e produziu a trilha para “A Linha”, da Árvore, a experiência em realidade virtual vencedora do Leão de Ouro em Veneza e do Primetime Emmy 2020.

GRAZIELA PAES
Cultura, tecnologia digital e prática profissional (T2)
Dia 19/11, 19h

Graziela Paes aka VJGrazzi, brasiliense, bacharela em Cinema e MídiasDigitais, com especialização em Video Mapping, VJing e Fulldome pela VJUniversity, e integrante do mundialmente respeitado grupo United VJs e do coletivo de artistas mulheres, Multimanas.

Consagrou-se campeã no torneio VJTorna International 2018, foi contemplada com o prêmio de melhor obra no festival SSA Mapping do mesmo ano, em Salvador, Bahia, com a peça Sétima República e participou do elenco de artistas que tiveram suas criações projetadas na muralha da ilha de Ibiza, na Espanha,dentro do Ibiza Light Festival 2018.

Produziu SAPÓ, videomapping que contou com a colaboração de Gilberto Gil, para a mostra principal do SSA Mapping e colaborou com a cenografia digital do videoclipe Bang Bang da PablloVittar.

Além dos trabalhos de produção visual, Grazzi segue lecionando diversos cursos voltados para o videomapping. Um deles em parceria com o Redley Garagem + MOV Festival no segundo semestre de 2020.

GUILHERME BONFANTI e WALLACE RIOS
Criação compartilhada em iluminação cênica (T1)
Dia 20/11, 19h

GUILHERME BONFANTI

Guilherme Bonfanti é Light Designer paulista desde a década de 90, atuou em inúmeros projetos de iluminação dentro e fora do país. É um dos fundadores do Teatro  da Vertigem junto com Antônio Araújo e da SP Escola de Teatro com outros profissionais da cena paulistana onde coordena o curso de Iluminação. Trabalhou com diversos profissionais do teatro, dança, música, desenvolveu projetos luminotécnicos para diversas Bienais além de uma vasta experiência internacional.

WALLACE RIOS

Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas/PPGAC - São João del-Rei. Especialista em Arquitetura & Lighting pelo Instituto de Pós-Graduação (IPOG). Graduado em Design de Interiores pelo Centro Universitário Estácio/FIC. Possui formação técnica em interpretação teatral pelo Curso de Arte Dramática (CAD) pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Coordenador técnico do CENOTEC/CE - Laboratório de Cenografia e Tecnologias da Cena, vinculado ao Curso de Licenciatura em Teatro da UFC. Realiza projetos de ensino, criação, desenvolvimento e execução de iluminação cênica para espetáculos.

 

Voltar